Virtualização: servidores do Judiciário alagoano se empenham na digitalização de processos

  virtualizacaojudicial O esforço dos servidores tem sido essencial para alcançar o objetivo de deixar o acervo de processos do Judiciário de Alagoas 100% virtual. Desde outubro de 2014, todas as unidades judiciárias do Estado recebem ações por meio eletrônico, mas muitas delas ainda possuem processos, mais antigos, tramitando em meio físico. De acordo com a Diretoria Adjunta de Tecnologia da Informação (Diati) do Tribunal de Justiça de Alagoas (TJ/AL), tramitam atualmente no Judiciário estadual 423.285 processos digitais e 99.419 físicos.

    Na Comarca de Pilar, serventuários dedicaram 15 dias de trabalho para digitalizar um processo de improbidade administrativa com 23 volumes, 7.031 folhas e 17 réus. A virtualização dos autos facilitará o seu manuseio, disponibilizará mais espaço de trabalho no cartório, evitará o extravio de peças, bem como eliminará o esforço físico antes despendido no seu transporte.

    De acordo com o magistrado titular da Vara do Único Ofício de Pilar, Sandro Augusto dos Santos, apesar da elevada quantidade de atos processuais, a unidade tem procurado virtualizar os processos físicos gradativamente, dando preferência àqueles considerados prioritários.

    Em julho deste ano, a 2ª Vara de Penedo concluiu a digitalização, iniciada em outubro de 2014, dos 2.100 processos físicos da unidade. A digitalização teve a ajuda conjunta de servidores que, por vezes, trabalharam em horário especial para finalizar a demanda.

    Todo acervo físico foi identificado e arquivado na própria Comarca, que possui cerca de 2.300 processos cíveis em tramitação, sendo que 200 deles já foram recebidos de forma virtual. Assim como nestas duas unidades judiciárias, diversas ações estão sendo adotadas por magistrados e servidores para concluir a virtualização da Justiça alagoana.

    No interior do estado, a Comarca de Maribondo, na região Agreste, foi a primeira 100% virtualizada, em 2010.

Mecanismo de incentivo

    Em março deste ano, o Tribunal de Justiça de Alagoas instituiu mecanismos de incentivo à digitalização dos processos físicos ainda existentes nas unidades judiciárias. Segundo o documento, será garantida folga de até cinco dias para os servidores que digitalizem autos, conforme publicado no Diário da Justiça Eletrônico em 14 de março.